Unidade 01, seção 01

A ciência dos antigos gregos



ciência como a conhecemos hoje nasceu no final da Idade Média com os trabalhos de estudiosos como Copérnico,Galileu, René Descartes e Kepler. Estamos, é claro, citando os nomes mais conhecidos e nos limitando ao campo da Física.

As origens dessa forma de conhecimento estão em civilizações mais antigas, principalmente nos gregos, que dominaram grande parte do mar Mediterrâneo antes da ascenção do Império Romano.

Os gregos fundaram colônias por todo o mar Mediterrâneo. Nas colônias mais importantes viveram e trabalharam grandes estudiosos. Por exemplo: Arquimedes, matemático e engenheiro, viveu onde hoje é a Itália; Ptolomeu, outro matemático importante, viveu e trabalhou no Egito.

Um dos mais influentes dos estudiosos gregos da antiguidade foi Aristóteles que trabalhou em diversos campos, tais como Biologia, Geografia, Filosofia e, como já citamos, em Astronomia e Física.

- Professor! Por que vamos nos ocupar de Aristóteles se Galileu provou que ele estava errado?

- Cuidado, meu amigo! A ciência não é filme de Bandido e mocinho! A teoria de Aristóteles e Ptolomeu funcionou e continua funcionando, fornecendo previsões razoáveis sobre o movimento dos planetas. Nós usamos a teoria de Copérnico por que ela é mais abrangente, é mais simples e é capaz de fornecer mais e melhores previsões.

As novas teorias científicas, na grande maioria dos casos, nascem das limitações das teorias mais antigas. Todo cientista aprende com o trabalho dos que o antecederam. Portanto, leia com atenção a próxima seção e conheça um pouco mais sobre o ponto de vista dos antigos.

A cosmologia de Aristóteles

A visão grandiosa do céu noturno girando em torno da Terra foi e sempre será uma fonte de inspiração para nós. Na cosmologia aceita até o final da Idade Média o Universo é uma imensa esfera e no centro dessa esfera está situada a Terra.

Para os antigos a Terra não era um planeta. Ela era o resultado da acumulação da matéria em torno do centro do Universo. Em volta da Terra, imóvel no centro, girava os planetas e as estrelas.

Observe a imagem ao lado. Ela mostra o esquema geral dessa cosmologia. Note a Terra no centro e os planetas e o sol girando em volta. A "casca" desse universo é a esfera na qual estão situadas as estrelas.

- O que você acha disto, caro leitor? Considera esta teoria um delírio de mentes atrasadas?

- Imagino que não! Aristóteles podia exibir evidências aceitáveis a favor dela.

Para os antigos uma das evidências a favor desse modelo é o que se pode ver no céu noturno. Se observamos com cuidado, depois de algum tempo, podemos perceber que o céu gira a nossa volta. Assim, pensar que estamos no centro do universo não parece ser uma afirmação descabida.

Para ilustrar esse ponto de vista veja as imagens abaixo. No vídeo que mostraremos em seguida, o astrônomo H. Carrasco, do observatório astronômico de Atacama (Chile), administrado pela Agência Européia ESO, filmou o céu noturno.

O filme foi feito do entardecer ao nascer do sol e depois foi condensado para meio minuto de duração. Com isto podemos perceber claramente o céu girando ao nosso redor. No vídeo destaca-se o movimento da nossa galáxia, chamada de Via Láctea, pelos Romanos.

Os antigos não viam a Terra girar debaixo dos seus pés. Eles viam o céu girar sobre suas cabeças.



Essa maneira de entender o universo sobreviveu até o início da Idade Moderna. Foi necessário o trabalho de um homem como Galileu para criar argumentos bons o suficiente para superar o que os olhos viam e convencer os outros da necessidade de uma nova cosmologia.

É importante ter isto em mente quando entramos em contato com as teorias físicas da antiguidade. Toda teoria física está inserida no contexto da sociedade em que foi criada. Não devemos olhar o passado com os olhos do presente. É necessário olhar para o passado sem preconceitos.

O destino de toda teoria científica é ser superada e quando isto acontece ela não deixa de ser uma teoria científica. As teorias físicas de Aristóteles, tanto a sua Cosmologia como a sua Física, foram superadas por outras assim como as teorias científicas do nosso tempo serão superadas um dia.

- Além disto, meu prezado aluno, lembre-se: conhecer o passado facilita o entendimento do presente.




Vídeo disponibilizado no canal da djxatlanta do YouTube.



Vídeo disponível no site da ESO - European Southern Observatory. Crédito do vídeo para ESO/H. Carrasco.






  Voltar para página anterior