Domingo, 15 de março de 2015.

A luta dos físicos para alcançar o limite inferior de temperatura: o zero absoluto. Part 2/2.

As sensações biológicas de "quente" e "frio" estão na raiz daquilo que hoje entendemos como calor. O "quente" e o "frio" foram inicialmente percebidos como substâncias materiais distintas que penetram nos corpos. O conceito evoluiu até o entendimento moderno do Calor como energia do movimento aleatório das moléculas dos corpos.

O atendimento das necessidade econômicas e sociais da primeira Revolução Industrial levam a um estudo intenso das características do calor e ao inicio da era das máquinas a vapor. Ao mesmo tempo tem início uma jornada pelo entendimento do que era o frio. Esta jornada também prometia grandes ganhos tecnológicos e econômicos.

A série Absolute zero, da qual que você assistirá a seguir a segunda e última parte, narra a luta para se entender o frio e a corrida dos físicos para alcançar a menor temperatura possível: Zero Kelvin ou o Zero absoluto. A direção é de David Dugan. A série foi exibida originalmente na televisão Inglesa pelo canal BBC-Four. A tradução e as legendas são de Piloto ( Veja em entendaumpouco.blogspot.com).



A segunda parte narra a corrida que se estabeleceu na tentativa de atingir a temperatura de zero Kelvin. Inicialmente entre os físicos da Royal Institution, na Inglaterra e da Universidade de Leiden, na Holanda; depois entre os físicos da Universidade do Colorado e do MIT, nos Estados Unidos.

Para alcançar temperaturas muito baixas os físicos utilizam uma propriedade dos gases que foi notada pela primeira vez por Faraday. Um gás sob grande pressão, ao se expandir diminui a sua temperatura. Assim, os cientistas buscaram, em primeiro lugar, liquefazer gases como o oxigênio, o hidrogênio e o hélio colocando-os sob grande pressão. Depois, quando esse líquido é liberado num recipiente apropriado, serve como refrigerante para o resfriamento de outro gás.

Farady conseguiu atingir a temperatura de - 130°C. Em 1898, J. Dewar obtém hidrogênio líquido e em 1908 Onnes, na Holanda, liquefaz o gás Hélio atingindo a temperatura de 5 Kelvin (- 268 °C). Em 1995, E. Cornel e C. Weiman alcançam a temperatura de 170 milésimos de Kelvin, obtendo um novo estado da matéria previsto por Einstein, o chamado condensado de Bose-Einstein.

Já existem aplicações práticas desses conhecimentos em novos meios de diagnóstico médico, em novos meios de transporte, melhores linhas de transmissão elétrica e na computação quântica.



Chamamos a atenção dos professores para a utilidade da série em sala de aula. Ela dá destaque às consequências das teorias físicas e às relações entre a ciência e a sociedade. Além disto, a narrativa sobre as pesquisas para a obtenção do condensado de Bose-Einstein oferecem uma boa oportunidade para a discussão da física moderna com os alunos.

Assista a primeira parte da série Absolute zero clicando aqui.





Este filme faz parte da série de televisão  Absolute zero, exibida pelo BBB-FOUR, da BBC de Londres. 

Produção do filme: Meridians Productions para BBC - Four. Faça uma visita em bbc.co.uk.


Arquivo das postagens


19 de fevereiro - O Gerador...


20 de fevereiro - As partículas...


10 de março - A corrida para...


02 de abril - A gravitação no...


21 de abril - Mapas de todos...


01 de maio - Físicos do Brasil...


10 de maio - Físicos do Brasil ...


28 de maio - O conceito de ...


16 de junho - Princípio de fun...


28 de junho - Devagar com o...


12 de julho - Muito além da...


26 de julho - Meteorologia:...


15 de agosto - Afinal, o que é...


29 de agosto - Le grand K...


13 de setembro - As ondas est...


05 de outubro - O espectro...


01 de novembro - O trabalho humano...


22 de dezembro - A matéria escura...


Postagens de 2016


Postagens de 2017


Postagens de 2018